NOTÍCIAS



IONLINE

Quando começou no negócio das urnas, há mais de 30 anos, as fábricas, por tradição, não só construíam os caixões mas também tratavam dos funerais. Joaquim Castro, que agora é dono da maior fábrica do país e que em breve será a maior da Península Ibérica, tinha pouco mais de 20 anos e logo no primeiro dia de trabalho teve de fazer um funeral.

O defunto só foi descoberto uma semana depois da morte e, quando Joaquim Castro chegou à casa, para tratar do velório, já lá estavam as carpideiras. Só isso foi suficiente para lhe causar horror. Mesmo assim, teve de vestir o morto e tratar do funeral. “Andei dois dias sem comer”, recorda. A experiência foi de tal maneira traumática que resolveu acabar com a tradição e dedicar-se só à construção de caixões. “Afinal as pessoas estão sempre a nascer e a morrer”, pensou, na altura. Mas, aos 57 anos, o empresário diz que continua a não estar familiarizado com a morte. É o primeiro a admitir: “Não consigo ver mortos.”

Só no concelho de Amarante há 21 fábricas de caixões, responsáveis por 75% da produção nacional. A maior, desde 2005, é a Joriscastro, em Fregim. Além de dono do negócio, Joaquim Castro é o presidente da Junta há 22 anos, vai já no sexto mandato. O fabricante de urnas trata dos mortos e, em simultâneo, “da qualidade de vida” dos vivos da aldeia. A crise também chegou a Fregim, mas não atingiu a maior fábrica de caixões do país: a empresa está em fase de expansão e, a partir do próximo mês, vai passar a funcionar em instalações novas, que a vão transformar “na maior da Península Ibérica”.

O ano passado, o presidente da junta e fabricante de caixões produziu cerca de 12 mil urnas, facturou 2,5 milhões de euros e vendeu para o estrangeiro 15% da produção. O segredo para fintar a crise? “As empresas que agora se estão a expandir são as que, no tempo certo, investiram em alta tecnologia”, explica Joaquim Castro, que é filho de agricultores, só tem a quarta classe e investiu 6,5 milhões de euros na nova fábrica. “Agora vou ter de trabalhar muito para pagar isto tudo”, desabafa. E trabalhar muito implica vender mais caixões.

Como construir um caixão: Cada urna demora, pelo menos, “quatro ou cinco horas” a ser construída. Por dia, a fábrica produz entre 50 e 55 caixões e do catálogo constam 40 modelos diferentes. Quase todas as madeiras servem para construir uma urna, tudo depende de como é tratada. “Os acabamentos são fundamentais”, explica Joaquim Castro. As mais habituais são as urnas em pinho ou em madeiras exóticas africanas, além do mogno, do carvalho e da faia. As mais caras são as de pau-santo, que chegam a custar 15 mil euros.

Depois de escolhido o modelo, a madeira entra na linha de produção para ser cortada. Até aqui, o processo em nada é diferente daquilo que acontece numa serração normal. Depois é preciso montar as peças - e o caixão começa a ganhar forma. A seguir, os retoques: tapar buracos, lixar. Segue-se a primeira aplicação de verniz, e cada urna leva três aplicações. Só depois são colocadas as asas exteriores e toda a parte da ferragem. Os interiores são a última fase, a cargo das únicas quatro mulheres que trabalham na fábrica - num universo de 70 funcionários.

Primeiro, o interior da urna é revestido com pedaços de algodão. De seguida é aplicado o estofo em tecido, com agrafos. “Existem 20 tipos diferentes de acolchoados”, descreve Joaquim Castro. Há, por exemplo, o estofo italiano, o estofo roma, o estofo entrançado (com ou sem abas), o estofo camel. O que também não pode faltar dentro do caixão é a indispensável almofada.

Tendências: Os portugueses “ainda são muito conservadores” na morte, é opinião de Joaquim Castro, que quase todos anos se desloca a Itália ou a França, onde visita as principais feiras internacionais do sector. É lá que são apresentadas as novas tendências da moda fúnebre: “Vou lá ver como param as modas”, conta o empresário. Uma das últimas ideias que trouxe para Portugal foi a produção de urnas ecológicas, “em que 60% do material é biodegradável”.

Joaquim Castro conta ainda que todas as regiões do país têm gostos diferentes para a realização dos funerais e mais ainda no que diz respeito aos caixões: “No Minho usam-se muito as urnas de abrir com altar incluído e interior almofadado, enquanto em Trás-os-Montes ainda se usam interiores em renda”, diz. O fabricante sublinha que as rendas, bem como a organza bordada, estão ultrapassadas: “Agora usam-se mais as abas em tecido.”

Nas cores dos caixões, os portugueses também não inovam muito. “Os interiores são quase sempre brancos ou pérola, mas lá fora vêem-se cores como o roxo ou o bordeaux”, conta Joaquim Castro que, no entanto, já construiu urnas todas verdes, vermelhas e azuis, “para adeptos do futebol”. Mesmo assim, poucas vezes chegam à fábrica pedidos exóticos - até porque cabe às agências funerárias serem intermediárias entre a fábrica e os pedidos dos clientes. Joaquim Castro não esquece, no entanto, o maior caixão que construiu. “Tinha 2,25 metros de comprimento… incrível”, conta.

Fruto ou não da crise, está a aumentar o número de pessoas que dispensam a ajuda das agências e tentam negociar o próprio funeral ou, pelo menos, comprar o caixão na fábrica. “Ainda ontem me ligou um casal a pedir que lhes construísse os caixões”, confidencia o fabricante.

Mas pode-se guardar um caixão na despensa de casa, anos a fio? “É claro que sim. Desde que não apanhe água”, avisa o empresário.


IONLINE